Monitoramento eletrônico auxilia na segurança

As câmeras, espalhadas pela cidade, são monitoradas por profissionais capacitados, que tem autonomia em chamar órgãos responsáveis para intervenção em caso de acidentes, furtos, roubos ou outras práticas delitivas. O controle é feito 24 horas e a base de dados tem auxiliado a Polícia Militar, Guarda Civil, Bombeiros e até mesmo na manutenção da cidade limpa.
Um olhar sobre a cidade – As câmeras instaladas em praças, ruas, avenidas, parques contribuem para segurança da cidade. Com boa qualidade de flash e zoom, os equipamentos garantem ao agente de monitoramento capacidade de identificação de qualquer situação que representa riscos ou esta fora da conduta permitida em lei. “Toda movimentação é observada, inclusive a Cadeia Pública da cidade e as principais vias de acesso. Até moradores que jogam entulhos em local proibido estamos sinalizando”, afirma o secretário municipal de Segurança Pública, Paranaguá.

Os profissionais atentos já evitaram situações de risco, como em uma madrugada evitou o abandono de um incapaz em baixas temperaturas. Em uma das noites frias do mês de julho, um grupo reuniu às três da manhã para usar drogas, monitorando, o agente viu que um bebê foi deixado sozinho no sereno, pelos então responsáveis. O caso foi passado para polícia, que rapidamente resgatou o menor e tomou as providências cabíveis.

Ações conjuntas – A Central de Monitoramento é administrada pela Secretaria Municipal de Segurança Pública, com equipamentos comprados por meio de uma parceria com o Ministério Público. O recurso veio por meio de dinheiros de multas e Termos de Ajuste de Conduta de autuações do judiciário. As câmeras estão nos pontos estratégicos, e estão sendo ampliadas conforme o crescimento da cidade, e também, necessidade de monitoramento. O sistema é utilizado por todas as forças policiais, conforme necessidade de atuação, desde diligências da Polícia Civil, Militar e de outras forças policiais; dentro dos critérios definidos pela lei, respeitando legislações específicas, em relação à privacidade ao cidadão.

Reportagem – Marcela Aires

Fotos: Lucas Barros Lapp